Futebol Feminino em Mocambique ...

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Futebol Feminino em Moçambique

Este blog tem como objectivo divulgar informação de carácter desportivo

Futebol Feminino em Moçambique

Este blog tem como objectivo divulgar informação de carácter desportivo

QUERIAM QUE JOGASSE BÁSQUETE - afirma Inês Chingueleza

 

INÊS Chingueleza, 25 anos, teve que lutar contra tudo e todos para manter firme a sua preferência pelo futebol. Quando começou a jogar, aos 9 anos, no bairro T-3, em 1999, tudo ainda era muito novo. Falar de futebol feminino era quase proibido.

 

Tive que travar uma luta diária com amigas, amigos. Queriam que praticasse básquete ou outra modalidade, que segundo eles se adequava mais ao género feminino. A minha opção em jogar futebol foi alvo de muitas críticas de pessoas próximas de mim. Todos os dias tinha que ouvir os meus amigos a aconselharem-me para jogar básquete. Eu tinha paciência para ouvir e respeitava essas opiniões, mas nunca deixei de manter firme a minha paixão pelo futebol ”, afirmou.

 

Se fora de casa, a atleta teve alguns constrangimentos, no meio familiar contou com apoio incondicional da sua mãe.

 

A minha mãe sempre me apoiou. Esteve presente em todos os momentos da minha carreira, sobretudo nos mais difíceis. Posso dizer que ela deu-me muita força para continuar a jogar

     

Inês, que tem como futebolista de referência, David Beckham (estrela do futebol inglês), conta que esteve para ir jogar na África do Sul. “ Estive perto de ir jogar na África do Sul, mas esse sonho não se concretizou. Espero que num futuro próximo possa sair para jogar fora do país ”, disse.

 

A camisola 7 das “ canarinhas ” é de opinião que deve haver mais apoios para a massificação do futebol feminino.

 

 

Faltam apoios e incentivos para que o futebol cresça ainda mais em termos competitivos. É complicado fazer desporto sem incentivos, pelo que peço a quem de direito para levar mais a sério o futebol feminino ”, conta.

 

Fora das “ quatro linhas ”, Inês diz que realiza actividades caseiras, no entanto mostra-se pouco hábil para cozinhar.

 

Acordo cedo, sobretudo nos dias que tenho treinos, para ajudar a minha mãe na limpeza da casa e outros afazeres domésticos. Não sou muito boa na cozinha, mas faço um bom arroz ”, rematou.   

 

 

Fonte :Jornal Noticias